© José Caldeira / “Rubble King”, de Duarte Valadares, com interpretação de Marco da Silva Ferreira, Palcos Instáveis

Instável – Centro Coreográfico

É com grande alegria que lançamos a primeira versão do novo website da Instável – Centro Coreográfico! Será neste espaço em crescimento que estará disponível toda a informação sobre as diversas áreas de atividade da Instável: as novas criações em dança contemporânea, programas de formação e apoio para criadores, residências artísticas, programação, entre outros. Lançamos o convite para conhecer os espetáculos e oportunidades que preparámos para as próximas semanas!

Depois de Timber, esta é a segunda colaboração de Roberto Olivan com a Instável. Para a nova criação procuramos quatro intérpretes - dois deste lado da península, dois do lado de lá. Sem restrição de idade ou género, serão valorizadas a versatilidade e excelência técnica e artística dos candidatos.

Depois da estreia com duas casas cheias na comemoração do 90º aniversário do Rivoli, o espetáculo de Helder Seabra para a Instável faz-se à estrada. Em "Lowlands", oito intérpretes "visitam o mundo de sombra da existência, de histórias internas que se desdobram para além da linguagem e da palavra".

  • 29 abr / Casa da Criatividade, S. João da Madeira

Um ou dois corpos, seis no máximo. It’s a long yesterday é um exercício sobre o desejo, a fratura e a multiplicação. Neste projeto, as criadoras movem-se pelo "propósito pessoal e íntimo de trabalhar sobre a condição de irmãs gémeas (...) como ferramenta de investigação para refletir sobre a potencialidade de um corpo impreciso porque múltiplo.

 
  • 21 abr / Cineteatro Alba, Albergaria-a-Velha
  • 29 abr / Auditório Ruy de Carvalho, Oeiras

Nem a Própria Ruína é um espetáculo de dança criado com base em 10.000 Anos Depois Entre Vénus e Marte, uma obra de rock progressivo e instrumental composta por José Cid em 1978. Para além de banda sonora, também a narrativa desta obra é conceptualizada como ponto de partida, uma redenção pós-apocalíptica.

  • 23 abr / Cineteatro de Torres Vedras

Rubble King introduz um curto período de atenção, uma criatura investigadora do arquétipo. Uma entidade numa sandbox, um local de informação ilimitada, um circuito excessivamente produtivo à procura de arquétipos com que se alimentar. Vários estados através da mudança de atenção e esquivando-se da conclusão, um ridículo racional.

  • 23 abr / Teatro Municipal de Vila Real