© Filipe Cunha, Teatro Aveirense

Barro, Terra Molhada Onde a Bota Escorrega
Mafalda Deville
Criação de Mafalda Deville para a Companhia Instável, com música dos Drumming. Uma encomenda dos Teatros Municipais de Vila Real e Bragança no âmbito do projeto Algures a Nordeste.

Pela água, pelo fogo, pelo tempo, pelas mãos. São corpos que moldam e são moldados. Que questionam na sua existência, no seu estado, na relação com os outros- a si próprios. A solidão da eternidade das pedras cravadas na terra. O festim da descoberta. Memórias e sonhos ressoam, na caixa do tempo, onde o passado e o futuro nem sempre se sucede por esta ordem. Pela água, pelo fogo, pelas mãos. O corpo, matéria mutável, da lânguida sedução à catástrofe do caco. Tudo a preto e a vermelho. Como na roleta, os corpos entram no jogo.

Mafalda Deville, Nascida em 1976, em Portugal, e atualmente baseada no Porto. Diretora Artística de Oficina ZERO e CDIntensive, juntamente com o artista visual, Israel Pimenta.
Mafalda criou trabalhos como: Mata-me em séries; In Between Bliss; Unconnected; Departed; MAMA; Silêncio; Stray dogs; Corpos em Vão e Barro – Terra Molhada onde a bota escorrega entre outros.
Colaborou com coreógrafa em empresas e instituições como Tiago Rodrigues – Mundo Perfeito, Companhia Instável, Ao Cabo Teatro-Nuno Cardoso em Portugal; Lyric opera de Chicago, EUA; JV2, Shoreditch Dance Company, RAD, projeto Trinity Laban-CAT, Royal Opera House e Sadlers Wells Theatre em Londres e Occupy Theatre em Stralsund na Alemanha. Trabalhou como bailarina, Ensaiadora e diretora do projeto educacional da Jasmin Vardimon Company há mais de 12 anos.
Formada pela Escola de Dança Contemporânea de Londres do The Place em Dança Contemporânea e Coreografia em 1998.
Atualmente está tirar mestrado no curso COMMA – mestre em coreografia na Codarts e Fontys na Holanda
A Mafalda desenvolve trabalho com as comunidades como pesquisa para o seu trabalho. Até o momento, trabalhou com comunidades como, Mães Jovens (13 a 18 anos) e seus bebês, pessoas idosas com mais de 60 anos, comunidade romana em Londres, mulheres vítimas de tráfico sexual em Calcutá, na Índia, mulheres e homens com idades entre 20 e 40 anos, de um país específico. centro da cidade em Portugal.

Dança M/12 – 60 min


Datas anteriores:

17 e 18 nov 2017 / Teatro Municipal de Vila Real

23 e 24 nov 2017 / Teatro Municipal de Bragança

Direção Artística: Mafalda Deville

Direção musical e sonoplastia: Rui Rodrigues

Consultoria: Drumming GP

Assistência artística: Ricardo Machado

Cenografia e vídeo: Israel Pimenta

Direção técnica e desenho de luz: Ricardo Alves

Responsável por figurinos: Mariana Morgado

Produção executiva: Rita Santos

Consultoria: João Ribeiro da Silva

Intérpretes: Beatriz Valentim, Catarina Corujeira, Dinis Santos, Liliana Oliveira, Michael de Haan, Sabrina Gargano

Intérpretes da comunidade local

 

A Companhia Instável é apoiada pela República Portuguesa – Cultura / Direção- Geral das Artes e pelo programa “Bolsas para a formação Fundação GDA”.