Pedro Sardinha/TMP / “Lowlands”, de Helder Seabra, com interpretação de Afonso Cunha, Dinis Duarte, Joana Couto, Mário Araújo, Lea Siebrecht, Pedro Matias e Sara Santervás

Lowlands
Helder Seabra
Coprodução com o Teatro Municipal do Porto

Uma área onde a terra está próxima ou abaixo do nível do mar é chamada planície — lowlands. Lowlands refere-se também à teoria de Freud, que compara a mente a um icebergue — flutua com um sétimo do seu volume acima da água, a única parte visível.

Nesta peça para oito intérpretes, o criador mergulha abaixo do nível do mar, na “mente inconsciente”, e guia os artistas e o público numa viagem através da “sala de espera mental”, onde os pensamentos permanecem até conseguirem atrair o olhar do consciente. Ressurgem instintos primitivos (desejos, medos, vontades, crenças, ansiedades, entre outros) e impulsos mantidos à distância, não dissimulados pelos maneirismos da etiqueta para adultos. A fisicalidade ligada ao inconsciente torna-se a personagem principal; o corpo o seu recurso.

Num encontro entre pessoas num “espaço vazio”, a procura por uma essência comum poderá facilitar uma visão mais profunda da nossa vida quotidiana e da nossa identidade pessoal e coletiva.

Através de uma estética de dança e teatro de elevado nível físico e experimental, visita-se o mundo de sombra da existência, de histórias internas que se desdobram para além da linguagem e da palavra. — Helder Seabra

Helder Seabra é um prolífico criador, intérprete e formador, atualmente a residir na Bélgica. Iniciou o seu percurso no Ginasiano e na P.A.R.T.S., de Anna Teresa de Keersmaecker, em Bruxelas. Em paralelo, foi intérprete da Companhia Instável em criações de Ronit Ziv, Javier Frutos e, em 2004, Wim Vandekeybus/Ultima Vez para a remontagem de Les Porteuses de Mauvaises Nouvelles, numa coprodução com a Instável. Desde então, tem trabalhado como intérprete e assistente de Wim Vandekeybus, Sidi Larbi Cherkaoui, Damien Jalet e de outros coreógrafos de renome internacional, em projetos aclamados pela crítica. Em 2013 fundou a Incognitus vzw, estrutura com a qual tem vindo a desenvolver o seu próprio percurso artístico, em colaboração com outros artistas. Com um estilo marcadamente dinâmico e articulado, cru e refinado ao mesmo tempo, Helder Seabra apresenta uma linguagem artística muito própria e de grande fisicalidade.

90º ANIVERSÁRIO TEATRO RIVOLI

Dança, M/12

29 abr 2022 / Casa da Criatividade, S. João da Madeira


Datas Anteriores:

1 abr 2022 / Theatro Circo, Braga

3 abr 2022 / Convento S. Francisco, Coimbra

21 + 22 jan 2022 / Rivoli/TMP

Conceito, direção e coreografia: Helder Seabra

Assistente de criação e ensaiadora: Mafalda Deville

Criado e interpretado: por Afonso Cunha, Dinis Duarte/Deeogo Oliveira, Joana Couto, Mário Araújo, Mercedes Quijada/Lea Siebrecht, Pedro Matias e Sara Santervás

Estagiários à interpretação: Gustavo Magalhães, Marta Cardoso

Composição e interpretação musical: Stijn Vanmarsenille

Direção técnica e desenho de luz: Joaquim Madaíl

Cenografia: Israel Pimenta

Design de figurinos: Pedro Ribeiro

Assistente de figurinos: Maria Afonso Coelho

Produção: Instável – Centro Coreográfico

Direção de produção: Rita Santos

Direção de cena: Rita Tavares

Coprodução: Teatro Municipal do Porto

Apoios:
Erva Daninha, Lupralnorte, Azeite Tojeira e Plastiborracha Lda
A Instável é apoiada pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes e pelo programa “Bolsas para a formação Fundação GDA”.

Instável uma estrutura em residência no Teatro Campo Alegre, no Porto, no âmbito do programa Teatro em Campo Aberto.