© “Solo Fértil”, de Inês Carneiro

Solo Fértil
Inês Carneiro
Palcos Instáveis / Coprodução com o Teatro Municipal do Porto

É uma dança (ou valsa) ao luar.

Inspirada na obra “A Dança” de Paula Rego, é criada uma partitura corporal bucólica sob o branco da noite. Uma evolução da criatura que lá se encontra.

Ninfa, fauno, animal ou besta – os olhos não sabem desvendar. É um corpo de mulher que mergulha na areia e se lava na água salgada. É um corpo num precipício a ponderar o salto – é o ir ou ficar. É um ritual nocturno, cheio de melancolia festiva. Um corpo que acaricia quem imagina estar ao seu lado, que felicita a sua fertilidade mas o peso de poder carregar uma vida.

Ouvem-se cânticos, gemidos de comoção pela vida finda.

É a mulher com mil homens no ventre, que se esconde na maresia e surge ao luar, sozinha, espalhando-se pelo ar quente de verão. É serena, lúcida, louca e gigante. É sereia sem forma fixa, é ser que se transforma. E quando amanhece, que forma tomasocial.

Inês Carneiro
Natural do Porto, tem como formação base de dança.
Entre 2017 e 2018, frequenta o Conservatório de Dança do Vale do Sousa, onde tem como docentes Ellaine Holland, Bianca Tavares e Richard D’Alton. De seguida, estuda na PERA -School Of Performing Arts, no Chipre, onde desenvolve projectos pessoais (mais tarde, apresentados no Porto) e participa enquanto intérprete em criações de Harry Koushos, Kay Krook, Maria Doulgeri, Celina Liesegang. Em 2019 regressa ao Porto e inicia os estudos em Teatro – variante Interpretação na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo. Em paralelo à sua formação, participou em exposições colectivas apresentando os seus trabalhos de carácter site-specific , como “I Like To Listen To The Evening Light” (2018), “Sou Melhor Vivência na Boca dos Outros” (2019). Em 2020, colabora com a LEAP Magazine numa performance de improviso duracional (60 minutos) na Openbox.Porto. Integrou ainda o elenco da peça de teatro “Anda Para o Escuro Comigo” de Tomé Nunes e o elenco do espetáculo “Drama” de Victor Hugo Pontes.

Dança, M/14 – 40 min

3 e 4 dez / Sala Estúdio do Teatro Campo Alegre

Desenho de luz e sonoplastia: Afonso Lemos

Coreografia e interpretação: Inês Carneiro

Produção e direção de cena: Mariana Lima Costa