© Ângela Freitas Reis / Jean-loup Gayrard e Stephanie Cardoso em “EM DOIS!”, de Roberto Olivan / versão para exterior

EM DOIS!
Roberto Olivan
Coprodução Teatro Aveirense e Teatro Municipal de Vila Real, ROPA/Roberto Olivan Performing Arts e L'Obrador Espai de Creació

A forma como se percepciona o Eu e Outro é condicionada por uma complexa lente histórico-cultural, que influencia e molda identidades individuais e papéis sociais, que se esperam e desempenham. Nesta peça, duas pessoas confrontam-se, encenando tensões e ambiguidades das relações contemporâneas. 

Mas o que muda nos indivíduos, na natureza das relações, e na qualidade dos vínculos que se estabelecem, quando o espaço individual cresce em detrimento do espaço comum? 

De que forma continuam as condicionantes culturais a atuar sobre identidades, comportamentos e expectativas? 

 

Nota de criação

EM DOIS! é o título da nova criação do coreógrafo catalão Roberto Olivan, a ser desenvolvida em processo de residência artística, em Portugal e Espanha, através do projeto de cooperação homónimo entre a Instável – Centro Coreográfico (Porto, Portugal) e a R.O.P.A./Roberto Olivan Performing Arts S.B. (Ebre Delta, Espanha). 

Integrado no projeto Nova Criação Anual da Companhia Instável, Roberto Olivan – que já havia criado Timber em 2019 para a Instável – é agora desafiado a criar um espetáculo que se desenvolve pelo desdobramento, na possibilidade dual: duas duplas, dois lugares para o gesto, duas variantes do mesmo objeto coreográfico. 

O desafio criativo do projeto contempla duas camadas distintas: 1) a versatilidade do modelo de apresentação e 2) um processo de criação transnacional de cooperação e partilha entre estruturas de criação, pesquisa e apresentação. Em relação ao formato, pretende-se com esta criação um espetáculo não somente para equipamentos culturais mas que tenha a capacidade de se adaptar e reinterpretar para o espaço informal. Consiste, assim, na criação de um espetáculo (dueto, com dois elencos) portátil e facilmente circulável que possa ser desenvolvido para espaços convencionais (palco) e também para exterior e espaços informais. Por trás desta opção, encontram-se preocupações com questões de sustentabilidade ambiental e financeira, além de uma fluída capacidade de circulação e adaptação a diferentes contextos de apresentação, com vista à difusão da peça. Sobre o caráter transnacional, importa salientar que Em dois!, é também um convite à colaboração artística e ao cruzamento, uma parceria para uma criação entre três países e três estruturas de criação e acolhimento que lhe acrescentam distintas camadas de pensamento, referências, ambiências e metodologias. No desenvolvimento do projeto, as estruturas desempenham papéis diferentes, complementares no todo entre a criação e a apresentação.

Roberto Olivan
Iniciou a sua formação no Instituto del Teatre, em Barcelona, e na P.A.R.T.S., em Bruxelas. A experiência nesta cidade foi essencial ao fortalecimento da sua carreira artística. Iniciou-se como intérprete profissional na Companhia de Dança Rosas, dirigida por Anne Teresa De Keersmaeker, e dançou sob a direção de Robert Wilson, Tom Jansen e Josse de Pauw, entre outros. Atualmente, dirige a Companhia ROPA – Roberto Olivan Performing Arts, criada em 2001, em Bruxelas, e é o diretor artístico e fundador do Festival Deltebre Dansa, evento internacional que se realiza anualmente desde 2004. Olivan cria performances para companhias de dança, universidades, instituições de dança e escolas em todo o mundo. Em 2019 criou para a Instável a peça Timber, que tem circulado por diversos Teatros Portugueses. Paralelamente, conduz formações, trabalha como coreógrafo e intérprete na indústria do cinema, integra a direção artística de importantes eventos culturais sendo júri de competições de dança. A sua carreira é reconhecida em todo o mundo; foi recentemente condecorado com o EFFE Award 2019-2020, com o Prémio Nacional de Cultura 2014 (Catalunha, Espanha), o Award City of Barcelona 2013 (Catalunha, Espanha), o Prémio Sebastià Gasch FAD 2012 (Catalunha, Espanha), Prix SACD da Criação Coreográfica 2001 da Société des Auteurs et Compositeurs Dramatiques (Bélgica), bem como vários outros prémios e nomeações.
a como bailarino na Kale Companhia de Dança, desenvolve os seus próprios projetos coreográficos.

Dança, M/6 – 50/60min (versão para palco) ou 30/40 min (versão para exterior)

 

Datas Anteriores:
5 nov /
Festival Yucatán Escénica, México (virtual)
10 set / Teatro Municipal de Vila Real, Vila Real (versão para palco)

15 jul / Estreia / Festival dos Canais, Aveiro (versão para exterior)

Conceito, direção e coreografia: Roberto Olivan 

Assistente de criação e ensaiadora: Cátia Esteves 

Cocriação e interpretação: Jean-loup Gayrard e Stephanie Cardoso (versão para exterior) / Rafael Pinto e Suevia Rojo (versão para palco)

Estagiários à interpretação: João Oliveira, Mafalda Cardoso

Composição musical: Carolina Elvira (versão para palco)

Música: Huun Tu, Kevin Volans, Ravel e Ensemble Pirin (versão para exterior)

Desenho de Luz: Pedro Pires Cabral (versão para palco)

Figurinos: Pedro Azevedo (versão para palco)

Produção: InstávelCentro Coreográfico 

Produção Executiva: Rita Santos 

Coprodução: Teatro Aveirense, Teatro Municipal de Vila Real, ROPA – Roberto Olivan Performing Arts e Créssida Danza Contemporánea

Apoio: Iberescena, DGArtes e Generalitat de Catalunya

A Instável é apoiada pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes