© João Octávio Peixoto, TMP / “Na Ausência da Ternura”, de Juliana Fernandes e Victor Gomes]

Na Ausência de Ternura
Juliana Fernandes e Victor Gomes

“A procura de uma linha que nos encontra, uma ausência que já nos pareceu ternura e que hoje nos fica como o rasto deturpado da memória.” 

Na ausência de Ternura nasce de uma necessidade de materializar física e “performativamente”, a ideia de que duas vidas/dois seres completamente alheios podem partilhar momentos e vivências idênticos, proporcionando-lhes uma perceção/compreensão do outro, mais intuitiva e não tão óbvia, dado as conexões antipódicas que partilham.

Juliana Fernandes e Victor Gomes são licenciados pela Escola Superior de Dança e cruzam o percurso artístico na formação Performact em 2019. No mesmo ano criam Na ausência de Ternura.

Juliana Fernandes tem desenvolvido o seu trabalho na área da criação destacando as seguintes peças: à direita de onde nasce o sol, em frente, Ever yours, faded love e Sonata for vacuum, e H. strings. Atualmente é diretora executiva e artística com Mariana Pombal do festival Lethes em Bruto.

Victor Gomes destaca no seu percurso o seu trabalho como intérprete nas peças Sem chão, Sem fim, Sopro e Um fio de ar de Amélia Bentes, Stay Still, Stand Silent de João Cardoso, SUGAR do coletivo SillySeason, e co-cria com João Cardoso Adapted to Y&Y. Destaca também a participação como coreógrafo convidado no festival Lethes em Bruto.

Atualmente, Juliana Fernandes e Victor Gomes são diretores executivos e artísticos do programa de formação AN-TRE.

Dança / M/14 – 45 minutos

14 abr / Teatro Aveirense, Aveiro

Criação e interpretação: Juliana Fernandes, Victor Gomes

Edição de som: Victor Gomes

Desenho de luz: Juliana Fernandes

Figurinos e cenário: Mariana Pombal, Juliana Fernandes, Victor Gomes

Registo fotográfico e imagem: Natacha Campos e Afonso Barros

Conceção de trailer: Afonso Barros

Apoio à residência: Performact e Arte em Movimento, CDV – Teatro do Noroeste