© DR / Festival “Lá Fora”, Ana Isabel Castro.

Instável Centro Coreográfico

A Instável – Centro Coreográfico pretende valorizar criadores e intérpretes de dança contemporânea do Porto e da Região Norte, através da criação de oportunidades e promoção de melhores condições para a atividade artística.

Com trabalho nas áreas da criação artística, formação e apoio a criadores, pesquisa e desenvolvimento de públicos, a Instável afirma-se como um espaço vivo e informal, por onde passam múltiplos criadores e intérpretes, numa lógica de incubadora de experimentação, onde é promovido o encontro, o trabalho e a aprendizagem, com base na colaboração e incentivo.

 

Foi fundada em 1999, por Ana Figueira, dando-se a conhecer através das criações da Companhia: a cada ano, um criador convidado, um grupo de intérpretes selecionado em audição, uma nova obra, uma circulação e o desvanecer natural de uma produção com o nascer de outra, num renovado ciclo de vida.

Em 2012, com a mudança para o Teatro Campo Alegre, a Instável ampliou a sua atividade, dando início à dinamização de um programa de residências artísticas e ao trabalho de apoio e incentivo a criadores e intérpretes. Os apoios do Teatro Municipal do Porto e Ministério da Cultura têm levado à afirmação da Instável enquanto Centro Coreográfico do Porto e Região Norte, um espaço vivo que privilegia a aprendizagem, experimentação e criação para a dança.

Equipa

A equipa Instável modifica-se de acordo com os projetos em curso, sendo ampliada e reduzida várias vezes ao longo de cada ano. Muitas vezes, as equipas intersetam-se, por exemplo, quando um bailarino de uma equipa artística se torna Formador num dos Programas de Formação, Mentor numa Residência Artística ou Criador num determinado projeto. Mais de uma centena de pessoas colabora por ano com a Instável, entre formadores, coreógrafos, bailarinos, técnicos e produtores.

Direção Artística
Ana Figueira
anafigueir@gmail.com

Direção de Produção
Rita Santos
lugar@companhiainstavel.pt

Gestão de projetos e apoio à comunicação
Catarina Serrazina
producao2@companhiainstavel.pt

Produção executiva
e direção de cena

Rita Tavares
residenciasinstavel@gmail.com

Produção executiva
Rita Pessoa
gabinetedifusao@companhiainstavel.pt

Comunicação
Raquel Vinhas
comunicacao@companhiainstavel.pt

Difusão
Marta Santos
cinstavel@gmail.com

IMG Ana

Ana Figueira

Ana Figueira é licenciada em Dança pela Faculdade de Motricidade Humana, UTL. Como bolseira ERASMUS, frequentou o Laban Centre, Londres, onde completou o estágio com 19 valores. Mestre em Performance Artística-Dança – FMH, 1999. Pós Graduação em Gestão das Artes – AEP. Foi fundadora do NEC e sua diretora durante 12 anos, cargo que deixou aquando do convite, em 2005, para programar a área da dança no Teatro Aveirense, onde esteve até 2007, tendo nessa data assumido o cargo de diretora artística até Outubro de 2009. Naquele teatro, acumulou funções de diretora de produção. De 1998 à atualidade é fundadora e diretora da Companhia Instável. Foi responsável pelas atividades culturais da Fundação Narciso Ferreira durante 18 anos. Foi produtora do Mudanças 2002, plataforma que aconteceu em seis teatros do Porto. Foi diretora do Festival Invicta Cidade que Dança (NEC) de 1999 a 2001 e das 4 edições do Festival Arte e Novas Tecnologias, Aveiro. Em 93/94 foi consultora do Coliseu do Porto para a área da dança. Foi professora convidada na ESE, nos cursos de dança na comunidade e de Gestão e Produção (CGPAE) – Fórum Dança, Porto. É, desde 2002, professora convidada de Marketing da Cultura e Divulgação e produção do Curso de Direção de Cena da ESMAE. É, desde 1992, professora do Ginasiano-Escola de Dança.

Desenvolveu o seu trabalho como coreógrafa entre 1989 e 98. Através dos projetos que criou para o NEC e Companhia Instável, tem tido um papel de relevância no incentivo a jovens criadores e intérpretes, assim como no desenvolvimento da dança no Porto. O trabalho que tem desenvolvido, quer com os criadores, quer como programadora, confere-lhe uma compreensão ambivalente do meio, não só na perspetiva da oferta como na da procura. O seu trabalho como formadora e a experiência como coreógrafa completam uma perceção abrangente das diversas vertentes da área e, no caso da formação, um conhecimento próximo de futuras gerações de criadores e intérpretes. Tem tido, desde há 20 anos, como projeto de vida o desenvolvimento do tecido artístico e nos últimos anos, o desenvolvimento de públicos para a Dança.

Rita Tavares

Nasceu em 1999 no Porto. Realizou o secundário na Escola Profissional Balleteatro em interpretação. Em 2021 conclui a Licenciatura em Direção de Cena e Produção, na ESMAE.
Na área da Produção fez apoio durante dois anos à Produção do Festival Fimp e do Festival Set. A nível académico já trabalhou enquanto Diretora de Cena e Produtora com Paulo Calatré, Kenia Dias, Graeme Pulleyn e António Durães. A nível profissional é membro da Direção de uma Associação Cultural, GAIVOTÀJANELA, que começou em 2021 a projetar trabalhos de intervenção social, na área do Teatro. Atualmente, encontra-se a fazer um estágio profissional na Instável – Centro Coreográfico.

Catarina Serrazina

A Catarina trabalha no setor cultural português desde 2013. Ao longo dos anos, tem tido a oportunidade de colaborar e aprender com estruturas e projetos diversificados, em vários pontos do país. Interessa-se por projetos colaborativos, que provoquem o espanto e proponham práticas mais conscientes e responsáveis. A sua formação académica incide sobre as áreas da comunicação, gestão cultural e ecologia humana. É praticante regular de Ashtanga Yoga e adepta de corridas de longa distância em montanha.

Rita Santos

Rita Santos, natural de Vila Nova de Gaia, é licenciada em Gestão do Património pela Escola Superior de Educação do Porto, 2012. Colabora com a Instável – Centro Coreográfico, enquanto produtora assumindo atualmente a Direção de Produção. Tem acompanhado todos os projetos da Companhia Instável desde essa altura, destacando as colaborações com criadores como Tiago Rodrigues, Emmanuelle Huynn, Cia 7273, Roberto Olivan, Mafalda Deville e, mais recentemente, Helder Seabra.

Rita Pessoa

Rita Pessoa nasceu em Espinho em 1999. Concluiu o ensino secundário no Balleteatro Escola Profissional em 2017 e posteriormente ingressou na Licenciatura de direção de cena e produção na ESMAE. Ao longo do seu percurso profissional já teve oportunidade de colaborar com Luís Mestre, Paulo Calatré, Nuno M.Cardoso etc. Em 2021 realizou o seu estágio profissional na associação Jazz ao Centro Clube. Colabora atualmente com o coletivo LAP.SO, que teve a sua primeira peça “Dois Peixes em Marte” estreada no Festival DDD 2021. Atualmente colabora, como produtora, com a companhia Instável – Centro Coreográfico.

Raquel Vinhas

Depois de participar como voluntária no Curtas Vila do Conde, cidade de onde é natural, licenciou-se em Jornalismo e Comunicação com um menor em Estudos Artísticos, e concluiu o mestrado em Antropologia com especialização em Culturas Visuais. Teve a oportunidade de estagiar brevemente na TSF Rádio Notícias e de participar num programa de voluntariado na Bulgária. Em 2018, iniciou o seu percurso profissional no Teatrão, em Coimbra. No início de 2022 começou a colaborar com a Instável – Centro Coreográfico, integrando a equipa de comunicação e assessoria.

Apoios e Parceiros

A Instável desenvolve a sua atividade de forma articulada com um amplo conjunto de parceiros, locais, regionais, nacionais e internacionais, que por diferentes motivos, se revêem e apostam no seu trabalho.

A Instável é apoiada pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes e pelo programa “Bolsas para a formação Fundação GDA”.

Conta também com o apoio da Câmara Municipal do Porto e do Teatro Municipal do Porto, sendo uma estrutura em residência no Teatro Campo Alegre, no Porto, no âmbito do programa Teatro em Campo Aberto.

Como parceiros de continuidade destacamos a Fundação de Serralves, a Casa da Arquitetura, a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, o Teatro Municipal de Vila Real, o Teatro Aveirense, o Theatro Circo, o Cineteatro de Torres Vedras, o Cineteatro Alba, o Convento de S Francisco, o Cineteatro de Estarreja, o Teatro Viriato e a Casa das Artes de Famalicão.

Por fim, nos últimos anos, tem contado com apoios a projetos por programas e entidades como IBERESCENA, Fundação Calouste Gulbenkian, Mostra Espanha e Embaixada da Áustria.